Posts

,

Infográficos para Segurança do Trabalho

Prevenir é a única opção.

27/07 – Dia Nacional de Prevenção a Acidentes de Trabalho.

 

Estudos mostram que todos os anos ocorrem diversos acidentes e muitos deles são ocasionados por falta de conhecimento.

As medidas de Segurança do Trabalho devem ser aplicadas em todos os setores da empresa, de forma a disseminar a cultura de saúde e segurança desde o chão da fábrica. É necessário que sejam realizadas ações com o objetivo de conscientização.

 

>>> TEMOS 3 INFOGRÁFICOS DE PRESENTE PARA VOCÊ!

 

Para ajudar a propagar essa informações estamos presenteando nossos clientes e parceiros com 3 cartazes para fixar no quadro de avisos da sua empresa que vão ajudar a conscientizar seus colaboradores.

É só baixar, eles estão em PDF alta resolução, você pode imprimir e colocar no quadro de avisos ou entregar ao colaboradores:

 

Para aqueles colaboradores que ficam em dúvida sobre a necessidade do Equipamento de Proteção Individual:

Infográfico Devo Usar EPI

Alguns equipamentos são insubstituíveis.

Infográfico Use Luvas

Use óculos de proteção

 

Para mais informações, treinamentos, cursos e exames entre em contato.

Telefones: (21) 2221-7793 / 2507-4882

, , , ,

Impacto do eSocial na segurança e medicina do trabalho

O que é:

O eSocial é um projeto do Governo Federal que visa padronizar a transmissão de informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais por parte do empregador.

Fique atento a implantação do E-Social na sua empresa:

É importante ressaltar que o eSocial não altera a legislação de Segurança e Saúde Ocupacional, mas é uma forma de verificar a prática destas legislações nas Empresas, pois essa padronização permite a checagem “on line”, rápida e simples desses dados, sem necessidade da fiscalização presencial de um Auditor Fiscal. É verdade que ele simplifica a burocracia, uma vez que as informações são lançadas apenas uma vez num mesmo sistema e isso simplifica muito. Contudo, o E-Social vai gerar multas pesadas para a Empresa que não gerar as informações de forma correta ou incoerente com a função e riscos do trabalhador, por exemplo.

Informações obrigatórias relacionadas à SST:

  • Exames Clínicos e Complementares do Trabalhador
  • Riscos existentes no Ambiente de Trabalho
  • EPI e EPC utilizados no Ambiente de Trabalho
  • Descrição de Atividade do Trabalhador
Pensando em amparar nossos clientes quanto ao projeto eSocial, desenvolvemos um plano de ação voltado para gestão das informações de SST.

 

Prazos de obrigatoriedade:
A obrigatoriedade, no que se refere à Medicina Ocupacional, ano que se refere a assuntos SST, acontece a partir de 1º de Julho de 2018, para as empresas que faturam R$78 milhões ou mais. Para as outras empresas começa a valer a partir de 1º de janeiro de 2019.
A Play Cipa ajuda sua empresa na implantação do E-Social com uma equipe especializada:

Pensando em amparar nossos clientes quanto ao projeto eSocial, desenvolvemos um plano de ação voltado para gestão das informações de SST.

Criamos um modelo operacional estruturado para evitar inconsistência de dados, bem como para gerar as informações de SST conforme modelos estabelecidos pelo eSocial.

Com isso, gerenciamos precisamente as informações de SST elaborando documentos (PPRA, LTCAT, PCMSO, ASO) dentro de um cenário tecnológico automatizado, garantindo assim a geração de informações prontas para serem enviadas ao Ambiente Nacional do eSocial. Conheça nossa estrutura operacional e tecnológica para a gestão das informações exigidas pelo eSocial e tenha a segurança de trabalhar com uma equipe especializada no assunto

Dia Mundial do Combate ao Câncer

Dia Mundial do Combate ao Câncer: 8 de abril.

Dr. Rafael Brum

O câncer é a segunda doença que mais mata pessoas em todo mundo, por isso é importante trabalharmos com a prevenção desta moléstia antes que a mesma evolua para estágios de maior gravidade.

A doença é primeiramente causada por modificações genéticas adquiridas por fatores externos e não como uma doença genética passada de geração a geração. Logo, os estímulos externos tais como sedentarismo, tabagismo, alimentação inadequada, exposição a substâncias cancerígenas entre outros são os principais envolvidos no desenvolvimento de um câncer. A genética contribui no sentido do indivíduo ser mais propenso a desenvolver certas doenças, mas ela é menos relevante que os fatores externos.

A prevenção do câncer tem pontos em comum com a prevenção de outras doenças cuja incidência vem aumentando ao longo das últimas décadas, como hipertensão e diabetes.

A fim de prevenir problemas de saúde, é preciso criar um estilo de vida saudável, no qual prevalecem 7 comportamentos:

  1. Boa alimentação com comida natural tal como frutas, verduras, carne, ovos (evitando excesso de alimentos processados/ frituras/ açúcares/ óleos vegetais/ embutidos);
  2. Bom padrão de sono (pelo menos 7 horas e idealmente 8 horas de sono reparador, ou seja, período em que se alcança sono profundo e sem interrupção);
  3. Exercício físico regular (pelo menos 30 min de atividade física moderada como caminhada rápida e idealmente 1 hora de exercício por dia 5 vezes na semana);
  4. Consulta ao médico regular para check-up ( 1 vez ao ano  ou mais se estiver apresentando algum sintoma por tempo prolongado);
  5. Alcançar peso ideal de acordo com sua altura e sexo (obesidade pode contribuir para o desenvolvimento de muitas doenças crônicas);
  6. Evitar exposição solar prolongada sem protetor;
  7. Manter o equilíbrio, a serenidade mental, que pode ser feito através de práticas de relaxamento, meditação, algum hobby.

Bom, resumindo, não podemos modificar nossa genética herdada, mas somos plenamente capazes de atuar filtrando estímulos externos nocivos e também cuidando do nosso ambiente mental. Prestando atenção no nosso equilíbrio mental, naturalmente vamos querer nos cercar de estímulos externos que contribuam para promover nossa saúde, vigor e disposição. Para finalizar cito Hipócrates:

“Que o teu alimento seja o teu remédio e o que o teu remédio seja o teu alimento”.

As principais siglas usadas na Segurança do Trabalho

TST, PRP, PRA, EPI, EPC… Você tem dúvidas quando se depara com essas siglas?

São tantas que é difícil compreender e memorizar todas elas se não usar no dia a dia.

Listamos algumas das mais utilizados para te ajudar:

 

AET – Análise Ergonômica do Trabalho.

A Análise Ergonômica do Trabalho (AET), tem como objetivo avaliar e analisar as relações existentes entre demandas de doenças, acidentes e produtividade com as condições de trabalho.

Saiba mais sobre a AET aqui nesse artigo: http://playcipa.com.br/2017/03/24/analise-ergonomica-do-trabalho-aet-e-laudo-ergonomico/

 

ASO – Atestado de Saúde Ocupacional.

É o documento médico que avalia a capacidade de trabalho do colaborador. Emitido pelo médico especializado em medicina do trabalho.  

http://playcipa.com.br/servicos/

 

CID – Classificação Internacional das Doenças.

Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde, sendo obrigatório em laudos médicos e atestados de saúde.

 

ABPA – Associação Brasileira de Prevenção de Acidentes.

É uma entidade que atua na área da segurança, meio ambiente e saúde ocupacional SMS, na forma de congressos, concursos, seminários, palestras, feiras e cursos. Oferece, ainda, apoio técnico a empresas e demais entidades (governamentais ou não). Fonte: Wikipédia

 

CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

Um grupo formado por representantes, tantos dos colaboradores quanto dos empregadores, para identificar os riscos referentes aos processos do trabalho e elaborar mapas de risco, com o objetivos de diminuir ou eliminá-los.

Fazemos a implementação, manutenção e cursos, saiba mais sobre este serviço: http://playcipa.com.br/servicos/

 

CAT – Comunicação de Acidente de Trabalho.

Um documento emitido para reconhecer tanto um acidente de trabalho ou de trajeto bem como uma doença ocupacional.

 

CLT – Consolidação das Leis do Trabalho.

Aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943 e sancionada por Getúlio Vargas, o presidente do Brasil na época, regula as relações individuais e coletivas do trabalho no país. É a mais importante legislação relativa a fatores trabalhistas e processuais de trabalho no Brasil.

 

CA – Certificado de Aprovação.

Documento Expedido pelo Ministério do Trabalho e Emprego para garantir a qualidade e funcionalidade de um determinado EPI –  Equipamento de Proteção Individual. Todo EPI só pode ser comercializado com a indicação do CA.

 

EPI – Equipamento de Proteção Individual.

O Equipamento de Proteção Individual – EPI é todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado a proteção contra riscos capazes de ameaçar a sua segurança e a sua saúde. (Fonte: http://www.guiatrabalhista.com.br/tematicas/epi.htm)

Nesse artigo falamos sobre a importancia deles: http://playcipa.com.br/2017/01/26/equipamentos-de-protecao-individual-epi/

 

EPC – Equipamento de Proteção Coletivo

São dispositivos utilizados no ambiente de trabalho com o objetivo de proteger os trabalhadores dos riscos inerentes aos processos, tais como o enclausuramento acústico de fontes de ruído, a ventilação dos locais de trabalho, a proteção de partes móveis de máquinas e equipamentos, a sinalização de segurança, dentre outros. (Fonte: http://www.guiatrabalhista.com.br/tematicas/epi.htm)

 

FAP – Fator Acidentário Previdenciário.

Em vigência desde 2010,  é um sistema bonus x malus, no qual a alíquota de contribuição de um, dois ou três por cento, destinada ao financiamento do benefício de aposentadoria especial ou daqueles concedidos em razão do grau de incidência de incapacidade laborativa decorrente dos riscos ambientais do trabalho, poderá ser reduzida, em até cinqüenta por cento, ou aumentada, em até cem por cento.

Leia mais sobre como a segurança dos seus colaboradores é benéfica para a empresa:

http://playcipa.com.br/2016/11/25/fator-acidentario-de-prevencao/

 

MTE – Ministério do Trabalho e Emprego.

Criado em 1930 é o órgão responsável pela regulamentação e fiscalização de todos os aspectos referentes às relações de trabalho no Brasil.

 

NR – Norma Regulamentadora.

Elaboradas pelo ministério do trabalho com o objetivo de promover a saúde e segurança do trabalho nas empresas. Também ensinam a cumprir e detalhar a CLT

 

PPP – Perfil Profissiográfico Previdenciário.

Documento em formato de formulário, que contém o resumo de todas as informações relativas à fiscalização do gerenciamento de riscos e à existência de agentes nocivos no ambiente de trabalho.

Podemos te ajudar: http://playcipa.com.br/servicos/

 

PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais.

é um conjunto de ações visando à preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e consequente controle da ocorrência de riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho, tendo em consideração a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais. (Fonte: Wikipedia)

Nós fazemos a Implantação e Desenvolvimento do PPRA  http://playcipa.com.br/servicos/

 

PCMAT – Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção.

É um programa que dita uma série de medidas de segurança a serem adotadas durante o desenvolvimento da obra na Indústria da Construção visando antecipar os riscos inerentes.  

PCMSO – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional.

Tem caráter de prevenção e diagnóstico precoce a eventuais danos a saúde ocupacional dos empregados. Considerando o indivíduo e a coletividade de trabalhadores.

Nós fazemos a Implantação, Coordenação e Desenvolvimento do PCMSO

http://playcipa.com.br/servicos/

 

SIPAT – Semana Interna de Prevenção de Acidentes.

A SIPAT é uma iniciativa muito importante para a segurança dos funcionários e para o bom funcionamento do ambiente de trabalho, porque através das ações realizadas, que incluem por exemplo palestras, vídeos, e aulas é possível conscientizar a todos a prevenir acidentes e doenças ocupacionais.

Já falamos sobre ele neste artigo: http://playcipa.com.br/2016/12/14/sipat-semana-de-prevencao-de-acidentes-de-trabalho/

 

SESMT – Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho

É constituído por profissionais da área da saúde, como Médico do Trabalho, Engenheiro de Segurança do Trabalho,Enfermeiro do Trabalho, Técnico em Segurança do Trabalho, Auxiliar de Enfermagem do Trabalho, têm como função principal proteger a integridade física dos trabalhadores dentro das empresas, de alertar a equipe contra novas doenças e ajudar a tomar precauções contra acidentes de pequeno porte, que podem atrapalhar o andamento da empresa e prejudicar os funcionários.

 

OS – Ordem de Serviço.

Documento usado na comunicação interna da empresa, apontando os materiais, maquinário e mão de obra requeridas para realização de um determinado trabalho.

 

Caso tenha mais dúvidas entre em contato:

Ligue: (21) 2221-7793 / 2507-4882

DESIGNADO DE CIPA

TODA EMPRESA PRECISA TER CIPA. 

Não importa o tamanho.

 

Todas as empresas precisam ter cuidado com a segurança e saúde, isso todo mundo sabe, mas você sabia que toda empresa precisa ter CIPA, não importa o tamanho ou segmento?

 

A CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, é formada por empregados da empresa que buscam a saúde e segurança do trabalho com foco em evitar acidentes de trabalho e doença do trabalho, de acordo com a Norma Reguladora número 5, ou NR5 como é conhecida, trata de todos as questões relativas a CIPA – Conheça a Norma Reguladora 5 Clique aqui – umas dessas questões é sobre empresas com menos de 20 funcionários, e a norma diz:

5.6.4 Quando o estabelecimento não se enquadrar no Quadro I, a empresa designará um responsável pelo cumprimento dos objetivos desta NR, podendo ser adotados mecanismos de participação dos empregados, através de negociação coletiva.

Se a sua empresa não se enquadrar na exigência de formar a Comissão de CIPA, mesmo assim é preciso designar e treinar um funcionário,  que será chamado de designado CIPA, para que ele exerça a função de CIPA e sua empresa esteja dentro da lei, caso contrário pode receber multas que podem chegar a R$ 6.419,71

A Play Cipa pode ajudar sua empresa, realizamos regularmente um treinamento para formar o funcionário Designado de Cipa. Estão incluídos os seguintes conteúdos:

Estudo do ambiente e das condições de trabalho; Metodologia de investigação e análise de acidentes e doenças do trabalho; Noções sobre acidentes e doenças do trabalho; Noções sobre legislações trabalhistas e previdenciária referente a segurança e saúde do trabalhador; Princípios gerais de higiene do trabalho e de medidas de controle dos riscos; Organização da CIPA.

 

Abaixo esclarecemos as principais dúvidas sobre o assunto:

  • O designado da CIPA tem estabilidade?

Não. Precisa ser um membro eleito de uma comissão tradicional para ter essa estabilidade.

  • Precisa realizar reuniões e apresentar ata?

Não. Como há apenas um membro, não é possível realizar reunião, nem a ata, porém o designado deve registrar tudo que for feito para cumprir os requisitos da NR5.

  • É preciso treinar o designado?

Sim. Segue o processo normal de uma CIPA com membros eleitos e indicados.

  • Qualquer um pode ser o designado da CIPA?

Sim, desde que seja funcionário da empresa.

 

Não perca tempo e dinheiro da sua empresa.

Próxima turma do treinamento em setembro, vagas limitadas.

Telefone: (21) 2221-7793

E-mail: comercial@playcipa.com.br

Campanha de Vacinação

 

O inverno chegou e o que para muitos é uma alegria, com o roupas mais elegantes e clima mais agradável, para outros é uma tortura, pois essa é a época do ano em que as doenças chamadas “De Inverno”, como gripes, resfriados, viroses, etc , se propagam. Isso por uma razão simples: o frio provoca o corpo a gastar mais energia com o controle de sua temperatura, diminuindo sua capacidade imunológica. Com a imunidade baixa, o organismo encontra-se mais vulnerável para contrair doenças.

Normalmente basta uma pessoa gripada no ambiente para que logo haja um surto e em muitos casos é indicado 3 a 5 dias de repouso.

E como evitar que aconteça a ausência de colaboradores, que gera diminuição na produtividade?  

 

Faça uma campanha de vacinação na sua empresa, possibilitando economia de tempo e dinheiro em deslocamentos. A vacina tem eficácia comprovada em até 90% dos casos, e os colaboradores entendem como um benefício oferecido pela empresa.

Entre em contato para que a gente possa desenvolver a campanha específica para sua Empresa!

Exames toxicológicos para motoristas: segurança nas estradas e para sua empresa

Para que serve o exame toxicológico?

O Brasil tem uma das taxas mais altas de acidentes fatais no trânsito. A cada ano perdem a vida mais de 45.000 pessoas, vítimas de acidentes. Estima-se que as drogas – isoladas ou em combinação com o álcool –  sejam a causa dos acidentes em mais de 40% dos casos.

Com o objetivo de aumentar a segurança nas estradas e diminuir número de acidentes causados por motoristas sob efeitos de substâncias ilícitas, o Conatran instituiu a obrigatoriedade da realização de exames toxicológicos para habilitação e renovação nas categorias C, D e E. A Lei 13.103, 02 de março 2015, conhecida também como Lei do Caminhoneiro.

Como é feito o exame toxicológico?

O exame identifica o uso de substâncias ilícitas no organismo do motorista, a fim de aumentar a segurança e diminuir os riscos nas estradas

O exame é indolor e à prova de contaminações, é coletado amostras de cabelo ou unha e analisado para substâncias como: Maconha e derivados; Cocaína e derivados; Opiáceos incluindo codeína; Morfina; Heroína: “ecstasy” (MDMA e MDA); Anfetamina; Metanfetamina; entre outras.

O exame é capaz de detectar substâncias usadas em um período de até três meses. É obrigatória a apresentação do exame no momento da renovação da carteira de motorista, a cada cinco anos. Ele tem validade de 60 dias, a contar da data que foi colhida a amostra.

Principais vantagens para sua empresa realizar o exame toxicológico dos colaboradores motoristas:

·         Redução de acidentes de trajeto com o motorista ou com terceiros.

·         Redução dos custos de contratação e treinamento de motoristas (rotatividade).

·         Redução de custos indenizatórios, trabalhistas e previdenciários.

·         Menor quantidade de horas inativas dos veículos, diminuindo o risco do lucro cessante.

·         Redução de abstenções e dos custos de afastamento dos funcionários

·         Segurança no transporte de passageiros e cargas de clientes

·         Menor risco de danos à imagem da sua empresa.

·         Ser reconhecido como empresa que se preocupa com a segurança

A Play Cipa realiza estes exames com um ótimo custo benefício para sua empresa. Auxiliamos em todas as etapas do processo.

Entre em contato e agende uma visita para conversarmos:  (21) 3708-0988 / 2221-7793 / 2507-4882

Síndrome de Burnout: A doença do esgotamento profissional

Não importa a profissão, o estresse faz parte do dia a dia num mundo cada vez mais competitivo.

A Síndrome de Burnout é uma das consequências deste ritmo atual: um estado de tensão emocional e estresse crônico provocado por condições de trabalho desgastantes.

Em geral, a síndrome atinge profissionais que lidam direto e intensamente com pessoas e influenciam suas vidas. É o caso de pessoas das áreas de educação, assistência social, saúde, recursos humanos, bombeiros, policiais, advogados e jornalistas.

A patologia está prevista na Lei 8.213-91, figurando na lista de transtornos mentais e do comportamento relacionados ao trabalho, autorizando o requerimento de auxílio doença previdenciário e estabilidade provisória no emprego, desde que constatado que a doença guarda conexão direta com o trabalho. O transtorno também está registrado no Grupo V da CID-10 (Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde).

 

  • Sintomas

Há diversos sintomas, que, em fase inicial, até se confundem com a depressão. O esgotamento físico e emocional é refletido através de comportamentos diferentes, como agressividade, isolamento, mudanças de humor, irritabilidade, dificuldade de concentração, falha da memória, ansiedade, tristeza, pessimismo, baixa autoestima e ausência no trabalho. Além disso, há relatos de sentimentos negativos, desconfiança e até paranoia.

É possível que o paciente sofra fisicamente com a doença, com dores de cabeça, enxaqueca, cansaço, sudorese, palpitação, pressão alta, dores musculares, insônia, crises de asma e distúrbios gastrointestinais, respiratórios e cardiovasculares. Em mulheres, é comum alterações no ciclo menstrual.

 

  • Tratamento

O tratamento inclui o uso de antidepressivos e psicoterapia. Atividade física regular e exercícios de relaxamento também ajudam a controlar os sintomas.

Recomendações

* Não use a falta de tempo como desculpa para não praticar exercícios físicos e não desfrutar momentos de descontração e lazer. Mudanças no estilo de vida podem ser a melhor forma de prevenir ou tratar a síndrome de burnout;

* Conscientize-se de que o consumo de álcool e de outras drogas para afastar as crises de ansiedade e depressão não é um bom remédio para resolver o problema;

* Avalie quanto as condições de trabalho estão interferindo em sua qualidade de vida e prejudicando sua saúde física e mental. Avalie também a possibilidade de propor nova dinâmica para as atividades diárias e objetivos profissionais.

A qualidade de vida é uma das armas para prevenir a Síndrome de Burnout. E isso inclui cuidar da saúde, dormir e alimentar-se bem, praticar exercícios e manter uma vida social bem ativa.

Febre Amarela – Informativo

Informe Play Cipa:

Na últimas semanas tem sido noticiado um surto de Febre Amarela em alguns estados do Brasil, a causa ainda não foi descoberta e o governo pede precaução por parte da população.
A doença é transmitida através do mosquito Aedes Aegypti, o mesmo que transmite a Dengue, Zika e Chikungunya e o melhor modo de se precaver é evitando água parada e limpa, fazendo limpezas nos quintais, plantas, piscinas etc.
No caso da Febre Amarela os sinais e sintomas mais comuns da doença são: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos que duram, em média, três dias. Nas formas mais graves da doença, podem ocorrer icterícia (olhos e pele amarelados), insuficiências hepática e renal, manifestações hemorrágicas e cansaço intenso.

Um cuidado especial que precisa ser tomado é quanto aos boatos e pânico que tem surgido com as Redes Sociais, muito tem sido divulgado e nem tudo é verdade.

Vamos esclarecer alguns pontos:

 

  • Moradores do Rio precisam tomar a vacina?

O ministério da saúde diz que todos tomam ao menos a primeira dosagem quando bebê e a segunda com até 4 anos, e é suficiente para proteger por toda a vida. Caso não tenha seu cartão de vacinação e não se lembre, só é recomendado caso vá viajar para locais com o surto ou para alguns países específicos.

Se não for o seu caso, não é necessário.

  • Alguém que não possa tomar a vacina?

De acordo com a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária)

“É importante ressaltar que a vacina não é recomendada para pessoas com doenças como lúpus, câncer e HIV, devido à baixa imunidade, nem para quem tem mais de 60 anos, grávidas e alérgicos a gelatina e ovo”. Cuidado extra nesses casos!

  • Tem risco de acabar as doses da vacina?

De acordo com o G1:
O laboratório da Fundação Oswaldo Cruz é o maior fabricante de vacinas contra a febre amarela do mundo e está batendo um recorde de produção. Em janeiro deve chegar ao máximo da sua capacidade: nove milhões de doses. Isso em um só mês.

“Nós produzimos a vacina há quase 80 anos e temos condição de atender à demanda, é lógico que obedecendo um planejamento e uma racionalidade da imunização”, explicou Marcos Freire, vice-diretor de Bio-Manguinhos.

Caso você precise tomar a vacina esses são os postos de saúde que disponibilizam a vacina no Rio:

  • CMS José Messias do Carmo

Rua Waldemar Dutra, 55 – Santo Cristo

  • CMS Marcolino Candau

Rua Laura de Araújo, 36 – Praça Onze

  • CMS Salles Neto

Praça Condessa Paulo de Frontin, 52 – Rio Comprido

  • CMS Ernesto Zeferino Tibau Junior

Avenida do Exército, 1 – São Cristóvão

  • CMS Ernani Agrícola

Rua Constante Jardim, 8 – Santa Teresa

  • CMS Oswaldo Cruz

Avenida Henrique Valadares, 151 – Centro

  • CEV Dr Álvaro Aguiar

Rua Evaristo da Veiga, 16 – Centro

  • CMS Manoel Arthur Villaboim

Praça Bom Jesus, 40 – Paquetá

  • CMS Manoel José Ferreira

Rua Silveira Martins, 161 – Catete

  • CMS Dom Helder Câmara

Rua Voluntários da Pátria, 136 – Botafogo

  • CMS João Barros Barreto

Rua Tenreiro Aranha, s/n – Copacabana

  • CMS Píndaro de Carvalho Rodrigues

Rua Padres Leonel Franca, s/n – Gávea

  • Clínica da Família Rinaldo Lamare

Avenida Niemeyer, 776 – São Conrado

  • CMS Heitor Beltrão

Rua Desembargador Izidro, 144 – Tijuca

  • CMS Maria Augusta Estrela

Rua Visconde de Santa Isabel, 56 – Vila Isabel

  • CMS Américo Veloso

Rua Gerson Ferreira, 100 – Ramos

  • Clínica da Família Felippe Cardoso

Avenida Nossa Senhora da Penha, 42 – Penha

  • CMS Necker Pinto

Estrada Rio Jequié, 482 – Zumbi

  • Policlínica Rodolfo Rocco

Estrada Adhemar Bebiano, 339 – Del Castilho

  • CMS Ariadne Lopes de Menezes

rua Engenheiro Carlos Gonçalves Pena, s/n – Engenho da Rainha

  • CMS Milton Fontes Magarão

Avenida Amaro Cavalcanti, 1387 – Engenho de Dentro

  • CMS Clementino Fraga

Rua Caiçaras, 514 – Irajá

  • CMS Carmela Dutra

Avenida dos Italianos, 480 – Rocha Miranda

  • CMS Augusto Amaral Peixoto

Rua Jornalista Hermano Requião, 447 – Guadalupe

  • Clínica da Família Souza Marques

Praça Patriarca, s/n – Madureira

  • CMS Jorge Saldanha Bandeira de Mello

Avenida Geremário Dantas, 135 – Jacarepaguá

  • CMS Harvey Ribeiro de Souza Filho

Av Guiomar Novaes, 133 – Recreio

  • CF José de Souza Herdy

Avenida Ayrton Senna, 3383 – fundos – Barra da Tijuca

  • CMS Professor Masao Goto

Av Carlos Pontes s/n – Jardim Sulacap

  • CMS Waldyr Franco

Praça Cecília Pedro, 60 – Bangu

  • CMS Belizário Penna

rua Franklin, 29 – Campo Grande

  • Policlínica Lincoln de Freitas Filho

Rua Álvaro Alberto, 601 – Santa Cruz

 

Equipamentos de Proteção Individual – EPI

EPI – Equipamentos de Proteção Individual – são dispositivos ou produtos de extrema importância usados para a garantir a proteção, segurança e bem-estar do trabalhador.

Dentro das empresas existem muitos mitos sobre o seu uso e obrigações, devido a falta de informações, o que colabora para os acidentes de trabalho.

A seguir, vamos ajudar a esclarecer algumas delas:

 

  1. Responsabilidades:

São partilhadas entre Empregador e Colaborador:

Ao empregador cabe a compra e troca do equipamento, quando necessário. Também é de responsabilidade do empregador orientar, treinar e fiscalizar o colaborador sobre o uso dos mesmos além do descarte correto de acordo com as leis ambientais.

O colaborador por sua vez, deve usá-los em todos os momentos em que foi informado no treinamento, cuidar do EPI e informar imediatamente caso haja a necessidade de troca ou reparo.

 

  1. Classificação

São classificados como Parciais ou Integrais de acordo com a área do corpo que protegem, os principais são:

  • Proteção da cabeça: Capacete
  • Proteção auditiva: Protetores auriculares e tampões
  • Proteção respiratória: Máscaras;
  • Proteção ocular e facial: Óculos, viseiras e máscaras
  • Proteção de mãos e braços: Luvas
  • Proteção de pés e pernas Sapatos, coturnos, botas, tênis.
  • Proteção contra quedas: Cinto de segurança, sistema anti-queda, arnês, cinturão, mosquetão.
  • Proteção do tronco: Avental

 

  1. Custos

Os custos dos EPIs são sempre muito baixos em comparação a todos os outros custos, não chegam a 0,05% dos custos de uma obra, por exemplo. Além de essenciais para a segurança do colaborador, os EPIs podem proporcionar a redução de custos para a empresa já que um colaborador protegido de acordo com as especificações, o risco de um Acidente de Trabalho é reduzido ao mínimo ou até mesmo eliminado.

 

Nós podemos te ajudar.

Após a identificação, quantificação, análise de exposição e análise geral é feita a especificação do EPI mais adequado. Essa escolha só pode ser feita por profissionais qualificados.

 

Se você tem dúvidas quanto ao uso, adaptação, identificação e treinamento para EPIs a Play Cipa possui experiência em ações na área de segurança e pode auxiliar você.

Entre os nossos serviços, temos:

  • Implantação e Desenvolvimento do PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais
  • Avaliação Ambiental: Ruído, Poeira, Temperatura, Produtos Químicos em geral
  • Brigada de Incêndio
  • Identificação de Perigos e Riscos
  • Mapas de Riscos
  • Estudos Ergonômicos
  • Laudos de Insalubridade e Periculosidade
  • SIPAT -Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho
  • Cursos, palestras e treinamentos

Entre em contato e marque uma reunião para que possamos te ajudar.

Lembre-se: EPI no armário não protege funcionário!!!

 

Faça o download desse fluxograma, imprima e coloque no quadro de avisos de empresa, para o colaboradores testarem se precisam do EPI.

 

infografico.epi

infografico.epi