Posts

,

Infográficos para Segurança do Trabalho

Prevenir é a única opção.

27/07 – Dia Nacional de Prevenção a Acidentes de Trabalho.

 

Estudos mostram que todos os anos ocorrem diversos acidentes e muitos deles são ocasionados por falta de conhecimento.

As medidas de Segurança do Trabalho devem ser aplicadas em todos os setores da empresa, de forma a disseminar a cultura de saúde e segurança desde o chão da fábrica. É necessário que sejam realizadas ações com o objetivo de conscientização.

 

>>> TEMOS 3 INFOGRÁFICOS DE PRESENTE PARA VOCÊ!

 

Para ajudar a propagar essa informações estamos presenteando nossos clientes e parceiros com 3 cartazes para fixar no quadro de avisos da sua empresa que vão ajudar a conscientizar seus colaboradores.

É só baixar, eles estão em PDF alta resolução, você pode imprimir e colocar no quadro de avisos ou entregar ao colaboradores:

 

Para aqueles colaboradores que ficam em dúvida sobre a necessidade do Equipamento de Proteção Individual:

Infográfico Devo Usar EPI

Alguns equipamentos são insubstituíveis.

Infográfico Use Luvas

Use óculos de proteção

 

Para mais informações, treinamentos, cursos e exames entre em contato.

Telefones: (21) 2221-7793 / 2507-4882

, , , ,

Impacto do eSocial na segurança e medicina do trabalho

O que é:

O eSocial é um projeto do Governo Federal que visa padronizar a transmissão de informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais por parte do empregador.

Fique atento a implantação do E-Social na sua empresa:

É importante ressaltar que o eSocial não altera a legislação de Segurança e Saúde Ocupacional, mas é uma forma de verificar a prática destas legislações nas Empresas, pois essa padronização permite a checagem “on line”, rápida e simples desses dados, sem necessidade da fiscalização presencial de um Auditor Fiscal. É verdade que ele simplifica a burocracia, uma vez que as informações são lançadas apenas uma vez num mesmo sistema e isso simplifica muito. Contudo, o E-Social vai gerar multas pesadas para a Empresa que não gerar as informações de forma correta ou incoerente com a função e riscos do trabalhador, por exemplo.

Informações obrigatórias relacionadas à SST:

  • Exames Clínicos e Complementares do Trabalhador
  • Riscos existentes no Ambiente de Trabalho
  • EPI e EPC utilizados no Ambiente de Trabalho
  • Descrição de Atividade do Trabalhador
Pensando em amparar nossos clientes quanto ao projeto eSocial, desenvolvemos um plano de ação voltado para gestão das informações de SST.

 

Prazos de obrigatoriedade:
A obrigatoriedade, no que se refere à Medicina Ocupacional, ano que se refere a assuntos SST, acontece a partir de 1º de Julho de 2018, para as empresas que faturam R$78 milhões ou mais. Para as outras empresas começa a valer a partir de 1º de janeiro de 2019.
A Play Cipa ajuda sua empresa na implantação do E-Social com uma equipe especializada:

Pensando em amparar nossos clientes quanto ao projeto eSocial, desenvolvemos um plano de ação voltado para gestão das informações de SST.

Criamos um modelo operacional estruturado para evitar inconsistência de dados, bem como para gerar as informações de SST conforme modelos estabelecidos pelo eSocial.

Com isso, gerenciamos precisamente as informações de SST elaborando documentos (PPRA, LTCAT, PCMSO, ASO) dentro de um cenário tecnológico automatizado, garantindo assim a geração de informações prontas para serem enviadas ao Ambiente Nacional do eSocial. Conheça nossa estrutura operacional e tecnológica para a gestão das informações exigidas pelo eSocial e tenha a segurança de trabalhar com uma equipe especializada no assunto

Dia Mundial do Combate ao Câncer

Dia Mundial do Combate ao Câncer: 8 de abril.

Dr. Rafael Brum

O câncer é a segunda doença que mais mata pessoas em todo mundo, por isso é importante trabalharmos com a prevenção desta moléstia antes que a mesma evolua para estágios de maior gravidade.

A doença é primeiramente causada por modificações genéticas adquiridas por fatores externos e não como uma doença genética passada de geração a geração. Logo, os estímulos externos tais como sedentarismo, tabagismo, alimentação inadequada, exposição a substâncias cancerígenas entre outros são os principais envolvidos no desenvolvimento de um câncer. A genética contribui no sentido do indivíduo ser mais propenso a desenvolver certas doenças, mas ela é menos relevante que os fatores externos.

A prevenção do câncer tem pontos em comum com a prevenção de outras doenças cuja incidência vem aumentando ao longo das últimas décadas, como hipertensão e diabetes.

A fim de prevenir problemas de saúde, é preciso criar um estilo de vida saudável, no qual prevalecem 7 comportamentos:

  1. Boa alimentação com comida natural tal como frutas, verduras, carne, ovos (evitando excesso de alimentos processados/ frituras/ açúcares/ óleos vegetais/ embutidos);
  2. Bom padrão de sono (pelo menos 7 horas e idealmente 8 horas de sono reparador, ou seja, período em que se alcança sono profundo e sem interrupção);
  3. Exercício físico regular (pelo menos 30 min de atividade física moderada como caminhada rápida e idealmente 1 hora de exercício por dia 5 vezes na semana);
  4. Consulta ao médico regular para check-up ( 1 vez ao ano  ou mais se estiver apresentando algum sintoma por tempo prolongado);
  5. Alcançar peso ideal de acordo com sua altura e sexo (obesidade pode contribuir para o desenvolvimento de muitas doenças crônicas);
  6. Evitar exposição solar prolongada sem protetor;
  7. Manter o equilíbrio, a serenidade mental, que pode ser feito através de práticas de relaxamento, meditação, algum hobby.

Bom, resumindo, não podemos modificar nossa genética herdada, mas somos plenamente capazes de atuar filtrando estímulos externos nocivos e também cuidando do nosso ambiente mental. Prestando atenção no nosso equilíbrio mental, naturalmente vamos querer nos cercar de estímulos externos que contribuam para promover nossa saúde, vigor e disposição. Para finalizar cito Hipócrates:

“Que o teu alimento seja o teu remédio e o que o teu remédio seja o teu alimento”.

Síndrome de Burnout: A doença do esgotamento profissional

Não importa a profissão, o estresse faz parte do dia a dia num mundo cada vez mais competitivo.

A Síndrome de Burnout é uma das consequências deste ritmo atual: um estado de tensão emocional e estresse crônico provocado por condições de trabalho desgastantes.

Em geral, a síndrome atinge profissionais que lidam direto e intensamente com pessoas e influenciam suas vidas. É o caso de pessoas das áreas de educação, assistência social, saúde, recursos humanos, bombeiros, policiais, advogados e jornalistas.

A patologia está prevista na Lei 8.213-91, figurando na lista de transtornos mentais e do comportamento relacionados ao trabalho, autorizando o requerimento de auxílio doença previdenciário e estabilidade provisória no emprego, desde que constatado que a doença guarda conexão direta com o trabalho. O transtorno também está registrado no Grupo V da CID-10 (Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde).

 

  • Sintomas

Há diversos sintomas, que, em fase inicial, até se confundem com a depressão. O esgotamento físico e emocional é refletido através de comportamentos diferentes, como agressividade, isolamento, mudanças de humor, irritabilidade, dificuldade de concentração, falha da memória, ansiedade, tristeza, pessimismo, baixa autoestima e ausência no trabalho. Além disso, há relatos de sentimentos negativos, desconfiança e até paranoia.

É possível que o paciente sofra fisicamente com a doença, com dores de cabeça, enxaqueca, cansaço, sudorese, palpitação, pressão alta, dores musculares, insônia, crises de asma e distúrbios gastrointestinais, respiratórios e cardiovasculares. Em mulheres, é comum alterações no ciclo menstrual.

 

  • Tratamento

O tratamento inclui o uso de antidepressivos e psicoterapia. Atividade física regular e exercícios de relaxamento também ajudam a controlar os sintomas.

Recomendações

* Não use a falta de tempo como desculpa para não praticar exercícios físicos e não desfrutar momentos de descontração e lazer. Mudanças no estilo de vida podem ser a melhor forma de prevenir ou tratar a síndrome de burnout;

* Conscientize-se de que o consumo de álcool e de outras drogas para afastar as crises de ansiedade e depressão não é um bom remédio para resolver o problema;

* Avalie quanto as condições de trabalho estão interferindo em sua qualidade de vida e prejudicando sua saúde física e mental. Avalie também a possibilidade de propor nova dinâmica para as atividades diárias e objetivos profissionais.

A qualidade de vida é uma das armas para prevenir a Síndrome de Burnout. E isso inclui cuidar da saúde, dormir e alimentar-se bem, praticar exercícios e manter uma vida social bem ativa.

Doença Ocupacional – Vale a pena oferecer sua saúde além do seu trabalho?

A produção acelerada, os movimentos repetitivos, o excesso de horas extras, posturas inadequadas, carregamento excessivo de peso, postos de trabalho com layout inadequados, são algumas das causas destas doenças e para evitá-las as empresas devem realizar um trabalho preventivo com ginástica laboral…

Para analisar melhor este assunto, temos que entender a definição de Doença ocupacional.
Doença ocupacional é designação de várias doenças que causam alterações na saúde do trabalhador, provocadas por fatores relacionados com o ambiente de trabalho. Elas se dividem em doenças profissionais ou tecnopatias, que são causadas por fatores inerentes à atividade laboral, e doenças do trabalho ou mesopatias, que são causadas pelas circunstâncias do trabalho. As primeiras possuem nexo causal presumido, mas nas segundas a relação com o trabalho deve ser comprovada. Ambas são aplicadas aos casos de auxílio-acidente e aposentadoria especial.
(Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego).

Dentre o maior índice de doenças Ocupacionais, podemos citar como exemplo de Doença Profissional a LER/DORT (Doença Osteomuscular Relacionada ao Trabalho) causada em decorrência do trabalho repetitivo. Bursite, tendinites, incidência de Hérnias de Disco e síndrome do túnel do Carpo são as causas mais comuns de afastamentos do trabalho.

A produção acelerada, os movimentos repetitivos, o excesso de horas extras, posturas inadequadas, carregamento excessivo de peso, postos de trabalho com layout inadequados, são algumas das causas destas doenças e para evitá-las as empresas devem realizar um trabalho preventivo com ginástica laboral, adotar pausas para descanso, realizar rodízios de equipes nas atividades em linha de produção e ter foco na identificação, discussão e propostas de melhoria na ergonomia.

A Doença do Trabalho mais comum e que acomete uma grande parcela de brasileiros é a PAIR (Perda Auditiva Induzida pelo Ruído), pelo fato de o ruído ser o agente de risco mais comum em ambientes industriais. O uso de protetor auditivo, se apresenta como um dos métodos mais comuns e práticos para reduzir o nível de exposição ao ruído ocupacional. Ele deve ser fornecido pela Empresa ao trabalhador, sempre que ele desempenhar suas atividades acima de 85 dB (A) dependendo da duração de sua jornada de trabalho, uma vez que o nível de ruído permitido em decibéis, varia conforme a carga horária do trabalhador.

Se não houver uma mudança radical na mentalidade organizacional das Empresas, tratando o trabalhador como ser humano, limitado em força e capacidade de trabalho e não como, uma extensão das máquinas da linha de produção, não conseguiremos mudar esta realidade e minimizar os custos de afastamentos por doenças ocupacionais e aposentadorias precoces por invalidez, que tanto impactam na Economia do País.